0
0
0
s2sdefault

Atualizada 

 

ÁGUA BOA - O Tribunal de Contas da União autorizou a renovação antecipada dos contratos de concessão da Estrada de Ferro Vitória a Minas e assim, será possível implementar a construção da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (FICO), que beneficiará o escoamento da produção de grãos do Vale do Araguaia através dos 348 quilômetros do trecho entre Agua Boa até Mara Rosa em Goiás e daí cujo trilhos se conectarão com a Ferrovia Norte-Sul.

Desta forma os grãos produzidos nesta região do Vale do Araguaia chegará aos principais portos de exportação do Brasil, como Itaqui, no Maranhão, ou ao Porto de Santos.

Para o representante do Araguaia, deputado estadual Dr. Eugênio (PSB), a região do Vale do Araguaia pode aumentar de forma muito expressiva as exportações de Mato Grosso.

“O estado exporta hoje 70 milhões de toneladas e só a produção do Vale do Araguaia pode contribuir com mais 30 milhões de toneladas com a entrada em funcionamento da ferrovia,, passando assim o estado a exportar 100 milhões de toneladas de grãos”, estimou o deputado do Araguaia.

Dr. Eugênio destaca ainda os benefícios sociais que a ferrovia pode trazer para toda a região.
“Serão beneficiadas diretamente as comunidades que estão nos 400 quilômetros laterais da ferrovia, gerando emprego para a população, renda para os trabalhadores e desenvolvimento para todo o Araguaia, melhorado os indicadores sociais”, afirmou ele.

As obras da FICO devem ter início no ano que vem, segundo o Ministério da Infraestrutura.

Na segunda etapa de obras, a previsão é que sejam feitos 518 km de Água Boa até Lucas do Rio Verde, com construção de um terminal de cargas e os trilhos passando por mais 15 cidades da região e 740 quilômetros até Porto Velho, em Rondônia. (Ascom)

 

================================= 

Atualizada 30 jul

 

BRASILIA - O Pleno do Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou nesta quarta-feira (29.07) a renovação da concessão das ferrovias administradas pela Vale nos estados do Pará e Minas Gerais. Como contrapartida, a empresa vai construir e entregar ao Governo de Mato Grosso para licitação a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (FICO), ligando Mara Rosa (GO) a Água Boa (MT).
 
De acordo com o governador Mauro Mendes (DEM), a renovação das outorgas vai ajudar Mato Grosso a produzir e escoar mais de 100 milhões de toneladas nos próximos anos. Ao todo, o projeto prevê a construção de 1.641 quilômetros de trilhos.
 
No projeto inicial estava previsto que a FICO iniciaria em Campinorte (GO) fazendo ligação com a Ferrovia Norte-Sul. Na primeira etapa, chega até Água Boa num percurso de 383 quilômetros, mas já no governo Bolsonaro foi mudado o trajeto e a ligação será em Mara Rosa (GO)..
 
Já na segunda etapa, a previsão é que sejam feitos 518 km de Água Boa até Lucas do Rio Verde, com construção de um terminal de cargas. A etapa da ferrovia abrange um trecho de 740 quilômetros do norte mato-grossense até o município de Vilhena (RO).
 
“A região tem um potencial gigante de crescimento. Podemos produzir em torno de 30 milhões de toneladas nos próximos cinco, dez anos. Seria um fenômeno. Hoje Mato Grosso produz 70 milhões, então com mais 30 milhões poderíamos romper a casa dos 100 milhões de toneladas”, explicou o governador. Mauro Mendes destacou que é fundamental ter uma infraestrutura e logística adequada para transportar esse volume de produção aos mercados interno e externo.
 
Presidente da Federação das Indústria do Estado de Mato Grosso (Fiemt), Gustavo de Oliveira, comemorou o resultado da audiência e apontou para o fato de que a obra irá viabilizar todo escoamento com muito menos custos e atingirá regiões localizadas a até 400 quilômetros do novo terminal.
 
“Sendo a Vale uma empresa privada, os tempos de execução da obra deverão ser muito reduzidos. São fantásticas notícias e novidades e a partir de agora estaremos em contato com a companhia para saber quando serão feitos esses investimentos, quando será realizado o contrato de renovação da concessão, que vai dar segurança a ela para começar esse processo”, avaliou. (Ascom)

 

================================ 

Atualizada dia 29 jul

 ATENÇÃO - Aprovada por unanimidade pelo TCU a construção da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (FICO), no segmento que liga Mara Rosa (GO) a Água Boa (MT), pela companhia Vale.

Decisão histórica para o Araguaia e para todo o estado de Mato Grosso! A informação é de Gustavo de Oliveira, Presidente da Fiemt

fico 4

CUIABÁ - O governador Mauro Mendes afirmou que a renovação das outorgas que permitirão a construção da Ferrovia de Integração Centro-Oeste (FICO), se for aprovada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), vai ajudar Mato Grosso a produzir escoar mais de 100 milhões de toneladas nos próximos anos.

Mendes participou de videoconferência nesta quarta-feira (29.07) com o ministro Bruno Dantas, relator do pedido da renovação das concessões. Também estiveram presentes o chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho; os senadores Wellington Fagundes e Jayme Campos; e os deputados federais Neri Geller, Nelson Barbudo e Rosa Neide.

Caso o TCU aprove a solicitação, a FICO será construída pela empresa Vale, ligando Mara Rosa (GO) a Água Boa (MT). Ao todo, o projeto prevê a construção de 1.641 quilômetros de trilhos.

“A região do Araguaia que deverá ser atendida com a chegada dessa ferrovia é predominantemente de Cerrado, fora da Floresta Amazônica. É uma região que cresceu na pecuária extensiva. Já temos muitas áreas abertas, de muitos e muitos anos. De cinco anos para cá começou a entrar a Agricultura. A região tem um potencial gigante de crescimento. Podemos produzir em torno de 30 milhões de toneladas nos próximos cinco, dez anos. Seria um fenômeno. Hoje Mato Grosso produz 70 milhões, então com mais 30 milhões poderíamos romper a casa dos 100 milhões de toneladas”, explicou o governador.

Mauro Mendes destacou que é fundamental ter uma infraestrutura e logística adequada para transportar esse volume de produção aos mercados interno e externo.

“Esse investimento na renovação antecipada das outorgas é extremante relevante e altamente estratégico para o Brasil e vai trazer grandes retornos para o país. Temos commodities minerais na região e de alimentos naquela área. Então investir nesse setor vai trazer grandes benefícios para a economia de Mato Grosso e também para a economia do país, que passa hoje por dificuldades”, citou.

Para o secretário Mauro Carvalho, a construção da FICO representará um novo marco no desenvolvimento econômico de Mato Grosso.

“Ter uma estrutura como essa para o escoamento de grãos na região, sem sombra de dúvida, vai fomentar a expansão da produção e dos investimentos. Na prática, é mais emprego para a população e também mais arrecadação, que resulta em serviços públicos melhores”, destacou.

O deputado federal Neri Geller também apontou que a ferrovia, se autorizada, vai diminuir os custos para os produtores mato-grossenses.

“Essa ferrovia vindo até Água Boa vai beneficiar principalmente a região do Médio Norte mato-grossense, que tem caminhado muito forte em avançar na produção. E isso depende muito da logística. Tivemos avanços na BR-163 e há um fluxo exagerado na rodovia, gerando até dificuldades de fazer a manutenção da estrada. Nesse caso da FICO, teríamos facilidade para abastecer o nordeste brasileiro, diminuindo muito os custos de produção aqui dentro do Brasil”, afirmou.

O projeto

No projeto, está previsto que a FICO iniciaria em Campinorte (GO) fazendo ligação com a Ferrovia Norte-Sul. Na primeira etapa, chega até Água Boa num percurso de 383 quilômetros.

Já na segunda etapa, a previsão é que sejam feitos 518 km de Água Boa até Lucas do Rio Verde, com construção de um terminal de cargas.

A etapa da ferrovia abrange um trecho de 740 quilômetros do norte mato-grossense até o município de Vilhena (RO). (Ascom)

 

================================= 

Atualizada 27 jul

 

dantasBRASÍLIA - O ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Bruno Dantas, informou que a Corte pautará na próxima quarta-feira (29/07) as renovações antecipadas das concessões da ferrovias Carajás e Vitória-Minas, operadas pela Vale. Proposta do Ministério da Infraestrutura prevê antecipar as concessões à Vale, em troca da construção de novas ferrovias. Entre elas, estaria a Ferrovia de Integração Centro Oeste, FICO, trecho entre Mara Rosa, Goiás, e Água Boa/MT.

O ministro Bruno Dantas, que é o relator da ação no TCU, disse que o tribunal não analisará a legalidade ou a constitucionalidade da antecipação das concessões das ferrovias. Tal legalidade já foi discutida pelo Supremo Tribunal Federal. Ao TCU cabe apontar se a iniciativa é vantajosa para a União.

"A proposta do governo que foi encaminhada para o tribunal prevê a prorrogação antecipada, com pagamento de uma outorga elevada. Além disso, a Vale assumiria a construção de uma ferrovia inteira e entregaria essa ferrovia à União, com orçamento pré-aprovado, e a União vai licitar".

A FICO vem sendo apontada pelas lideranças do vale do Araguaia como grande diferencial para a logística de transporte. Fronteira agrícola em franca expansão, o Médio Araguaia pode ter um aumento de área ocupada com soja em cerca de 1 milhão de hectares. A ferrovia possibilitará o transporte da produção, mas também a compra de insumos a preços mais baixos.

 

=================================== 

Publicado em junho 2020

Ministro fala da BR-158 e FICO

fico mapa maio 2020 BRASÍLIA - Principal reivindicação da população da região do Norte Araguaia, as obras de pavimentação da BR-158 devem começar já no ano que vem.

O anúncio foi feito nesta terça-feira, pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, por videoconferência, durante reunião com prefeitos e vereadores do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico da região de Confresa, organizada pelo senador Wellington Fagundes, do PL de Mato Grosso.

No encontro com os prefeitos, o ministro confirmou a opção do governo Bolsonaro de promover a pavimentação da BR-158 pelo traçado que contorna a Reserva Indígena Maraiwatsede da etnia Xavantes.

Ele informou que o trabalho para licenciamento ambiental da pavimentação pelo contorno já está bastante adiantado e que os estudos devem ser concluídos até o final do ano.

Considerada a mais importante rodovia da região do Vale Araguaia e fundamental para o escoamento da produção agrícola, a BR-158 tem menos de 123 quilômetros ainda sem asfaltado.

O novo traçado será capaz de absorver o tráfego dos municípios de Alto Boa Vista, Serra Nova Dourada e Bom Jesus do Araguaia, solucionando questões importantes em uma única alternativa.

O ministro Tarcísio também informou que o Governo qualificou no Programa de Parceira de Investimentos a BR-158 “como prioridade nacional”. Isso garante a inclusão da rodovia nas concessões governamentais.

“A BR-158 já tem um movimento muito relevante, tão forte quanto o próprio movimento da BR-163. Temos visto mil e 500 a mil e 800 carretas-dia. É algo muito impressionante. Portanto, já tem tráfego suficiente para uma concessão”, destacou o ministro.  

Além de anunciar novidades em relação as obras da BR-158, o ministro da Infraestrutura anunciou já para o ano que vem, a implantação da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste, ligando Água Boa, em Mato Grosso, a Mara Rosa, em Goiás, integrando o Araguaia à Ferrovia Norte-Sul. (Sapicuá Rádio News)